Dona Beija

Beija-Flor, Beija-Menina

“Quero  ser  enterrada sem caixão, envolta em tecidos de linha”, pedira em seu testamento Ana Jacinta de São José, mais conhecida como Dona Beija. Ana nasceu em Formiga -Minas Gerias em 1800. Ganhou a alcunha de “Beija” pois o noivo Manuel Fernando Sampaio a comparava à doçura e à beleza da flor “beijo”. Aos 15 anos Beija foi raptada e mantida como amante do ouvidor do Rei, Joaquim Inácio Silveira da Motta. Liberta-se dois anos depois, mas ao retornar a Araxá vê o noivo já casado.

Dona Beija a Galopar

A cidade de Araxá oferecia um ambiente hostil a D. Beija. A sociedade não a via como vítima, mas sim como uma mulher sedutora de todos os homens. As mulheres da cidade consideravam-na um grande risco para os valores éticos da época , tornou-se indesejada e marginalizada. Para vingar-se de Antônio, Beija resolveu prostituir-se.  Torna-se, então, amante de todos os homens casados. Uma noite, movido pela embriaguez, Antonio invadiu a casa de Beija, chamada de “Chácara do Jatobá” e naquela noite ela dormiu com ele. Ficou grávida e deu à luz a uma menina.

Casarão de Beija - Araxá - MG

A fim de vingar-se da família de Antônio, Dona Beija ordenou para que o matassem. Ela foi à justiça, mas foi libertada com a ajuda dos seus fiéis amigos. Partiu de Araxá com a filha em 1853, num cortejo formado por carroças bem talhadas, com destino a Bagagem (hoje Estrela do Sul). Dona Beija começou a tocar garimpo e ganhou muito dinheiro com os diamantes. Faleceu em 20 de dezembro de 1873, provavelmente com tuberculose devido a intoxicação com metais pesados do garimpo.

Conta uma lenda que certa vez D. Beija recebeu de uma senhora um presente que tinha  a intenção de a provocar. Era um jarro cheio de estrume. Beija mandou que o lavassem e o devolveu à “inimiga”, cheio de rosas. No cartão escreveu um recado, depois assinou:

"Cada Um Oferece Aquilo Que Tem" Ass: Beija.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Arte e Vida, Para Ler e Guardar.... ligação permanente.

Uma resposta a Dona Beija

  1. lena diz:

    A lendária D. Beja nos deixa a mensagem: “Usam-se as chicotadas para e se rebelar ou ignora-as transformando-se numa pessoa melhor a cada segundo de sua vida”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s